Instituto Federal de Mato Grosso registra no INPI programa de gestão da colheita do algodão

O Instituto Federal de Mato Grosso registrou no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) um software para gestão e rastreamento da colheita do algodão pela internet. O programa de computador é uma solução de baixo custo e de simples operação levando em conta as limitações do campo, utilizando tecnologias de aplicativos móveis, com o objetivo de oferecer uma alternativa aos produtores de algodão.  Ele funciona no módulo Android para captação de dados referente ao algodão colhido no campo e envio para aplicação web que faz o armazenamento e processamento desses dados.

A coordenadora da Agência de Inovação Tecnológica do IFMT, Silvana Santos da Cruz destacou que o programa de computador já foi registrado no INPI e tem uma empresa interessada pela transferência de tecnologia. “A agência incentiva e estimula o registro de propriedade intelectual dos trabalhos do IFMT. Esse tipo de trabalho é importante, pois alavanca a pesquisa na instituição”, destacou Silvana Cruz.

O software foi um trabalho de conclusão de curso do estudante de Sistemas para Internet do Campus Cuiabá, Junior Erdmann Streicham que orientado pelo professor Tiago de Almeida Lacerda. O estudante apresentou o programa para o conselho temático da Fiemt e já tem empresa interessa em adquirir a tecnologia. A ideia do programa de computador surgiu a partir de uma visita técnica no ano passado de um grupo de professores do IFMT – Campus Cuiabá, organizado pelo Laboratório de Pesquisa Aplicada (Lapa) ao Grupo Bom Futuro em Campo Novo do Parecis, durante a Parecis Super Agro.

“A visita teve o objetivo de aproximar o Instituto Federal com as necessidades do setor do agronegócio. Nessa visita foram professores de diversas áreas, como geoprocessamento, automação, sistemas para internet. Eu fui representando o curso de sistemas para internet. No local, identificamos a necessidade de criar um software de baixo custo desacoplado da internet e que pudessem fazer o rastreamento do algodão. Era uma necessidade deles na época, pois o rastreamento é feito de forma manual. O estudante Junior Streicham foi quem topou fazer esse software”, conta o professor Tiago Lacerda.

O estudante Junior Erdmann Streicham, ressaltou que foi um grande prazer fazer esse trabalho, pois pode aplicar o que aprendeu em sala de aula e fez com excelência. “Eu poderia ter feito algo mais fácil, mas resolvi fazer com excelência para mostrar o nome do IFMT na sociedade, para outros alunos e meus colegas. Quero mostrar que aqui é um lugar bom de estudar, que se faz pesquisa e se aprende coisas boas. Com o objetivo de transformar o IFMT em referência tecnológica”, ressaltou o aluno.

By | 2019-07-29T08:11:20-03:00 julho 29th, 2019|Agronegócio, Mato Grosso|0 Comentários
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!