A sexta-feira (30) começa com os preços futuros do milho caindo na Bolsa Brasileira (B3). As principais cotações registravam perdas entre 1,72% e 2,12% por volta das 09h14 (horário de Brasília).

O vencimento novembro/20 era cotado à novembro/20 era cotado à R$ 80,10 com queda de 1,72%, o janeiro/21 valia R$ 80,50 com desvalorização de 2,12%, o março/21 era negociado por R$ 79,50 com baixa de 1,85% e o maio/21 tinha valor de R$ 74,45 com estabilidade.

As movimentações cambiais também iniciaram o dia com o dólar em baixa ante ao real. A moeda americana caia 0,25% e era cotada à R$ 5,76 por volta das 09h18 (horário de Brasília).

Mercado Externo

Já os preços internacionais do milho futuro abriram a sexta-feira em campo misto na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registravam movimentações entre 1,50 pontos negativos e 1,00 ponto positivo por volta das 09h11 (horário de Brasília).

O vencimento dezembro/20 era cotado à US$ 3,97 com perda de 1,50 pontos, o março/21 valia US$ 4,01 com alta de 0,25 pontos, o maio/21 era negociado por US$ 4,04 com ganho de 1 ponto e o julho/21 tinha valor de US$ 4,05 com elevação de 1 ponto.

Segundo informações do site internacional Farm Futures, o aumento dos casos de coronavírus nos Estados Unidos e na Europa alimenta a incerteza econômica e faz os futuros do milho ficarem mais baixos.

Por outro lado, as vendas de exportação de milho esperadas para esta manhã provavelmente serão um pouco maiores em comparação com a semana anterior para o período do relatório que termina em 22 de outubro, de acordo com estimativas do comércio. Os analistas de mercado estimam as vendas de hoje da nova safra de milho entre 27,6 milhões e 59,1 milhões de bushels (entre 701.400 e 1,5 milhão de toneladas).

 

 

Fonte:NotíciasAgrícolas